Archive for novembro \23\UTC 2009

A Carta.

novembro 23, 2009

Minha querida,
tenho tido tantas saudades tuas desde a última noite em que estivemos juntos. E ficarei com essa noite gravada na minha memória para os anos que vierem.
Não tenho pensado noutra coisa nos últimos tempos. Li a tua carta pelo menos umas quatro vezes, e provavelmente irei lê-la mais vezes antes disto acabar.

Tenho estado sentado aqui, a olhar para a tua fotografia, e a ficar mais nostálgico a cada momento que passa. Eu desejei aquela fotografia mais do que qualquer outra coisa, a não ser, claro, a ti própria.
Estou sempre a pensar em ti querida. Sempre a desejar estar contigo em casa. Quero sair daqui a qualquer custo para poder ir para casa e ver-te, mas as coisas não me parecem muito favoráveis para que isso aconteça.
Esta guerra fez estragos a muita gente; nunca me senti tão sozinho em toda a minha vida. Estou COMPLETAMENTE perdido sem ti, querida.

Nunca pensei que pudesse sentir fanto a falta de alguém.
Espero que não falte muito até que esteja contigo outra vez e…

…possa ter uma vida normal e sã.

Esperar.

novembro 16, 2009

As palavras perfeitas nunca cruzaram a minha mente porque não havia nada além de você. Eu senti cada parte de mim gritando alto, mas o som estava preso dentro de mim;
Tudo que eu queria passou rápido por mim, mas eu estava preso bem forte à terra. Eu poderia ficar preso aqui por uns mil anos, sem os seus braços para me puxar.

Ai está você, bem na minha frente. Todo esse medo vai embora, você me deixa em paz. Me abrace apertado, porque eu preciso que você me guie para a segurança.
Mas não, eu não vou esperar para sempre.

Na confusão e nas consequencias, você é o meu sinal de fogo. A unica resolução e o unico prazer;
é o brilho enfraquecido de perdão nos seus olhos.
Mas saiba que não…

… eu não vou esperar para sempre.